Versão em Português Version en Español Mapa do Site Página Inicial
Villa-Lobos Villa-Lobos Museum Database Contacts Links Friends of the Museum
Music and Speech Biography Illustrated Time Line


















From 1870 to 1900

From 1901 to 1910

From 1911 to 1920

From 1921 to 1930

From 1931 to 1940

From 1941 to 1950

From 1951 to 1959


From 1911 to 1920 Villa-Lobos Museum - Clique para retornar para a página inicial
You are here: Home » Villa-Lobos » Illustrated Time Line » From 1911 to 1920
OBS: ENGLISH VERSION (apagar esta observação)

Legenda - Textos na cor verde: informações relativas a Villa-Lobos | Textos na cor preta: fatos contextualizados entre 1870 e 1959

1911
Nasce em Cambuquira, Estado de Minas Gerais, o pianista, compositor e regente coral, além de intérprete, colaborador e amigo pessoal de Villa-Lobos, José Vieira Brandão (1911-2002).

1912
Conhece a pianista Lucília Guimarães.

Compõe sua primeira grande ópera, "Izaht", com libreto de Fernando Azevedo Júnior e do próprio Villa-Lobos, que o assina sob o pseudônimo de Epaminondas Villalba Filho. A obra é resultado da fusão de duas outras óperas de sua autoria, "Aglaia" e "Elisa".

Na cidade de Exu, Estado de Pernambuco, nasce o famoso autor de "Asa Branca", Luiz Gonzaga (1912-1989), o "Rei do Baião", que também ficaria conhecido como Gonzagão.

No Rio de Janeiro, é inaugurado o bondinho do Pão de Açúcar.

1913
Em 12 de novembro, casa-se com Lucília Guimarães, que viria a ser uma grande colaboradora sua.

A Casa Edson instala, à Rua 28 de setembro, a fábrica de discos Odeon, a primeira da América do Sul.

1914
Nair de Teffé, esposa do então presidente Hermes da Fonseca, apresenta, ao violão, em recepção oficial no Palácio do Catete - sede do governo brasileiro - aquele que viria a ser um dos maiores sucessos de Chiquinha Gonzaga: "Gaúcho", mais conhecido como "O Corta-Jaca".

Falece, no Rio de Janeiro, Glauco Velásquez (1883-1914), compositor nascido na Itália, filho do barítono português Eduardo Medina Ribas e de uma jovem de importante família carioca. Admirado por Luciano Gallet e considerado genial por Darius Milhaud, abraçou, em suas últimas obras, a estética da vanguarda européia.

Nasce em Petrópolis, Estado do Rio de Janeiro, o compositor, professor e folclorista César Guerra-Peixe (1914-1993).

Nasce Dorival Caymmi, compositor baiano que escreveria, entre diversos sucessos, "O que É que a Baiana Tem", em parceria com Ary Barroso.

1915
Realiza, em 29 de janeiro, no Teatro Dona Eugênia, em Nova Friburgo, o primeiro recital com obras de sua autoria. Ao violoncelo, o compositor, e, ao piano, Lucília Villa-Lobos.

Na então capital do Brasil - a cidade do Rio de Janeiro - é promovido o primeiro concerto com obras de sua autoria no Salão Nobre da Associação dos Empregados do Comércio, causando reações de espanto em críticos de renome da época, pelo ousado tratamento harmônico empregado pelo compositor em suas obras.

Dá início à composição do ciclo de 17 quartetos de cordas, que viria ser concluído em 1957.

1916
A "Revista do Brasil" - publicação dedicada a resgatar os valores da cultura nacional e discutir os principais problemas do País - é lançada em São Paulo, sob a direção de Monteiro Lobato, o famoso autor de clássicos da literatura infantil que tinham como cenário o Sítio do Pica-pau Amarelo.

O Império Austro-húngaro declara guerra à Sérvia, deflagrando o início da I Guerra Mundial.

1917
Conhece o compositor Darius Milhaud - então secretário de Paul Claudel na Legação da França no Rio de Janeiro -, de quem ficaria amigo e a quem apresentou os terreiros de macumba, os chorões e a música carnavalesca.

Compõe os balés "Amazonas" e "Uirapuru", duas de suas mais importantes produções sinfônicas, baseadas em argumentos escritos, respectivamente, por Raul Villa-Lobos e pelo próprio compositor.

Donga (1889-1974), compositor de choros e sambas, e amigo de Villa-Lobos, consagra-se com o sucesso de "Pelo telefone", com letra de Mauro de Almeida.

Zequinha de Abreu (1880-1935), paulista de Santa Rita de Passa Quatro, compõe o choro "Tico-Tico no Fubá" que viria a ser imortalizado na voz de Carmen Miranda.

1918
Conhece o pianista Arthur Rubinstein, de quem se tornaria amigo e de quem receberia grande apoio para sua projeção internacional.

Compõe "A Prole do Bebê N° 1" para piano solo.

<A HREF="http://www.macromedia.com/shockwave/download/index.cgi?P1_Prod_Version=ShockwaveFlash" TARGET="FLASH"><IMG SRC="imagens/flashmus.gif" WIDTH=190 HEIGHT=60 ALT="Para escutar a música, instale o plug-in do flash no seu browser" usemap="#prole_n1" BORDER=0></A>
© O Polichinelo (da "Prole do Bebê N° 1"):
Copyright by Casa Arthur Napoleão Ltda./Fermata do Brasil
(prole_n1.swf, 59 kb - 0:52 minutos)

Em Curitiba, capital do Estado do Paraná, nasce Alceo Bocchino, compositor, regente e pianista, que seria, ainda, colaborador de Villa-Lobos.

Pela segunda vez, Rodrigues Alves se elege presidente da República. Passados oito meses, contrai a gripe espanhola, e o vice-presidente Delfim Moreira ocupa seu lugar.

Fim da I Guerra Mundial.

1919-1935
Compõe as "Canções Típicas Brasileiras" para canto e piano. Para escreve-las o autor se utiliza das gravações de canções indígenas realizadas por Roquette Pinto, quando da viagem deste pelo interior do Amazonas em 1911.

1919
Estréia, na sala de espera do cinema Palais, o conjunto Os Oito Batutas, que teve em sua formação, entre outros, Pixinguinha e Donga.

Nasce em Manaus, capital do Estado do Amazonas, o compositor e regente Claudio Santoro, cuja produção carregaria forte influência dos ensinamentos obtidos com Koellreutter. Morre em 1989, durante um ensaio no Teatro Nacional de Brasília.

Com a morte do presidente Rodrigues Alves, novas eleições são marcadas e o pleito é vencido por Epitácio Pessoa.

1920
Escreve o "Choros N° 1", para violão, dando início à criação da monumental ciclo de 14 "Choros" (concluído em 1929), escritos para as mais diversas formações camerísticas e sinfônicas, e com dedicatórias, entre outros, a figuras importantes do mundo das artes: Ernesto Nazareth, Mário de Andrade, Tarsila do Amaral, Oswald de Andrade, Arthur Rubinstein e Tomás Terán.

Mário de Andrade escreve "Paulicéia Desvairada". Poemas desse livro viriam a ser declamados pelo autor na The Week of Modern Art Moderna, sob vaias. Essa obra não é apenas sua libertação, o "estouro" - como ele próprio diz -, como representa, também, a libertação da própria poesia brasileira, que, a partir de então, buscará o seu rumo no sentido da nacionalização.

Voltar para o topo

José Vieira Brandão e Villa-Lobos
José Vieira Brandão e Villa-Lobos

Lucília Guimarães
Lucília Guimarães

Luís Gonzaga
Luís Gonzaga

Glauco Velásquez
Glauco Velásquez

César Guerra-Peixe
César Guerra-Peixe

Dorival Caymmi
Dorival Caymmi

Programa do Teatro D. Eugênia
Programa do Teatro D. Eugênia

Darius Milhaud
Darius Milhaud

Donga
Donga

Arthur Rubinstein
Arthur Rubinstein

Rubinstein em Nova York interpretando Villa-Lobos
Rubinstein em Nova York interpretando Villa-Lobos

Alceo Bocchino
Alceo Bocchino

Os Oito Batutas (ordem desconhecida): Pixinguinha, Paraíso, Sebastião, Cirino, Bonfiglio de Oliveira, Euclides Virgulino e Esmerino Cardoso
Os Oito Batutas (ordem desconhecida): Pixinguinha, Paraíso, Sebastião, Cirino, Bonfiglio de Oliveira, Euclides Virgulino e Esmerino Cardoso

Claudio Santoro
Claudio Santoro

Villa-Lobos ao violão
Villa-Lobos ao violão

Tomas Terán
Tomas Terán

© Copyright 2005 by Villa-Lobos Museum.
E-mail: mvillalobos@museuvillalobos.org.br